quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Lançamento: LegendasHQ nº1


Já está disponível a primeira edição da revista-zine LegendasHQ. Nascido da união de quatro fanzines oitentistas clássicos, Tchê (Denílson Reis), Múltiplo (André Carim), Cabal (Clodoaldo Cruz) e Quadritos (Marcos Freitas), chega com o propósito de ser um veículo periódico de quadrinhos e afins, especialmente HQB.

Gestado por seis meses,  esta edição tem como destaque o quadrinhista multimídia BIRA DANTAS. Além das belíssimas capa e poster (brinde) o artista é o entrevistado da edição e participa com a HQ “Outsiders”.

O leitor vai perceber ao longo das páginas de LegendasHQ, a influência e estilo de cada fanzine na concepção do conteúdo, extraindo o melhor destas publicações.

O resultado é uma bela seleção de quadrinhos, e as colaborações de Emir Ribeiro, Henry Jaepelt, Marck Ferreira, All Silva e Érika Saheki – com a participações dos editores nos roteiros.

A parte jornalística apresenta as colunas “Tchê Express”, “Radioatividade”, “Múltiplo’s”, processo criativo da HQ “Passagem” de Clodoaldo Cruz além de resenhas de publicações alternativas.

A contracapa de Estêvão Moraes traz um belo mosaico de heróis nacionais, detalhados no expediente da publicação.

Serviço:

LegendasHQ 1

Revista quadrimestral de quadrinhos e afins editada por Denílson Reis, André Carim, Clodoaldo Cruz e Marcos Freitas.

Ano I – Número 1 – Outubro de 2018
48 páginas • Formato 21x30 • Capa Couché color 300g • Miolo pb Offset 90g • Grampo
Tiragem: 140 unidades

R$ 25,00 (frete registrado incluso no valor)

Pedidos:

Depósito Bradesco:
Agência: 1552-0
Conta Corrente: 20906-6
Marcos de Freitas da Silva
CPF 595802401-91

Comprovante:

atomiceditora@gmail.com

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Lançamento Atomic: 45 Anos de Velta - Tomo 3

Já está disponível o 3º volume comemorativo aos 45 anos de criação de VELTA. 
O álbum, reeimpressão de 1983 há muito tempo esgotado, é pura nostalgia e comemorativa aos dez anos de Velta.
As capas foram desenhadas em 1981 e 1982 por Deodato Filho (hoje, Mike Deodato) e Emir fez as cores.
São duas histórias. "Invasão" é a primeira, baseada na HQ originalmente publicada no antigo suplemento "O Pirralho" do jornal "A União" em abril e maio de 1978. A versão de 1983 foi mais detalhada que a de 1978 e contou com Deodato Filho finalizando algumas cenas. No roteiro, Kátia reencontrou o alienígena Snirko, que a transformou em Welta e descobriu que o começo inocente de suas aventuras fora bem mais complexo do que imaginava. Sua origem, portanto, sofreu uma guinada em "Invasão". 
A segunda HQ, com texto e desenhos de Emir Ribeiro - "A chegada de Myra" - conta uma trama alternativa, onde Kátia Lins, ao invés de ter se tornado uma loura, tornou-se uma mulata.
Há a reprodução de uma foto-montagem que, pela primeira vez, retratou a loura-detetive como se fosse uma pessoa real (ela aparece junto ao autor, na mesma foto, feita em 1982).
Impressão e acabamento da Atomic Print.
Serviço:
Edição: 52 páginas papel Offset 90g pb. Capas externas coloridas em Couché 300g com verniz fosco HiTac, formato 15,5 x 23 cm, lombada quadrada PUR.
Valor: R$ 20,00 + R$ 5,00 frete registrado.
Total: R$ 25,00

Depósito Bradesco:
Agência: 1552-0
Conta Corrente: 20906-6
Marcos de Freitas da Silva
CPF 595802401-91
Comprovante:
atomiceditora@gmail.com

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Micro-entrevista Júlio Shimamoto


Shima, como foi trabalhar e colaborar para três editoras ícones da história da HQB: Vecchi, D'Arte e Press e com os editores Ota, Zalla e Franco?

Foram mais editoras que as que citou. Depois de mais de uma década (1964 – 1975) trabalhando com a estressante publicidade, a sensação do retorno aos quadrinhos foi como entrar num oásis após extenuante caminhada por deserto escaldante. Recomecei pela Ed. Noblet , ilustrando contos de R. F. Lucchetti para a Vampirella, HQ só fiz uma com roteiro de Paulo Hamasaki (chefe de arte da editora), e republiquei o “O Gaúcho” na revista Carabina Slim, que anteriormente tinha sido publicada na Folhinha de S. Paulo. Depois, na Ed. Vecchi, negociei com Ota a republicação da parte de meus clássicos dos anos 58 –64, outra metade foi para a Ed. Bloch, quando fui procurado pelo editor do setor infanto-juvenil Edmundo Rodrigues. Este fez a proposta para eu desenhar a série “A Múmia”, que tinha sido descontinuada pela americana Marvel. Por essa época, Ota decidira reformular Spektro só com HQs nacionais de terror. O sucesso foi grande, além das expectativas, o que o levou a criar mais dois títulos: Pesadelo e Sobrenatural. Abriu-se um amplo espaço para novos e talentosos roteiristas e desenhistas. Em 1977, surge a Ed. Grafipar, em Curitiba, com a competente direção editorial do saudoso Cláudio Seto (ex- Edrel), lançando vários gêneros de HQ erotizados: terror, crime, aventuras, sexo, e ficção científica. Seguindo o exemplo da Vecchi, todo o material era produzido por nós, brasileiros, e não deu outra, ocorreu novo grande sucesso de venda em bancas. Em 1983, Franco de Rosa e Paulo Paiva fundaram a Press Editorial, mas não produzi nada novo para eles, apenas cedi o direito de republicação dos quadrinhos que já tinham sido editadas em Curitiba. Nessa época eu estava desenhando HQs de terror para a revista Calafrio da Ed. D’Arte, do saudoso mestre Rodolfo Zalla. A economia do País ainda cambaleava, devido à crise do petróleo de 1979, e com meus filhos em fase escolar, comecei a viver forte aperto financeiro. Ainda em 1983, decidi aceitar um convite para retornar à publicidade, onde tinha deixado uma boa reputação apesar de detestar essa atividade. Fiquei nela por outros dez longos anos, até acabar demitido. Já estava com 55 anos, uma idade considerada avançada nesse meio. Passei a fazer ilustrações e capas para livros das Ed. Ática, Record, storyboards para agências e produtoras de comerciais, e desenhos para manuais e cartazes de segurança para a companhia Esso de Petróleo. Em 1998, surgiu a Editora Opera Graphica de Carlos Mann e Dario Chaves, oferecendo-me trabalhos de ilustrações de fascículos e criação de álbuns de terror e samurais. Nesse retorno aos quadrinhos eu produzí em parceria com Gonçalo Jr. um álbum para a Ed. Devir. Recentemente, eu e Márcio Júnior lançamos “Cidade de Sangue”, um livro de HQ de mais de 100 páginas, toda desenhada com ferro de soldar e maçarico sobre o papel térmico de fax (técnica totalmente inédita).

Como foi trabalhar com o grande Julio Emilio Braz? Que tal retomar a parceria uma hora, para gáudio dos leitores?

Foi muito gratificante trabalhar com um roteirista muito criativo e experiente como Julio Emílio Braz. Sei que ele às vezes se ressentia comigo por eu costumar intervir algumas vezes em seu texto, mas também fiz isso com outros roteiristas famosos ou não: Pergentino, Hélio Porto, Cotrim, Gedeone, Lucchetti, Ribeiro, Fischer, Carlos Magno, Padrella, Aguiar, como fazem a grande maioria dos cineastas. Quando você põe a mão na massa e começa a esboçar a sequencia de uma cena, tem-se a real noção do ritmo ou timing da narrativa de uma HQ. As vezes, fica evidente que a fala do balum soa redundante, anulando o impacto da ação  de determinado personagem. Retomar a parceria? Atualmente ando pouco motivado com quadrinhos, e vários projetos estão dormindo na minha gaveta. Quem sabe, um dia o meu gás retorne com pressão?

Shima obrigado pela oportunidade de publicar teus trabalhos, já é a segunda parceria Shima-Atomic-Quadrante (Sombras Completo foi a primeira) É um prazer enorme mergulhar na tua obra e espero voltar a parceria em breve, aquele abraço!!!

Eu que lhe agradeço pelo excelente trabalho de resgate e edição da coletânea CONTOS DE HORROR! Nota mil! Obrigadão / SHIMA

Pedidos Contos de Horror: atomiceditora@gmail.com

domingo, 22 de julho de 2018

Lançamento: Quadritos 14

Salve galera dos fanzines!

É com grande emoção e orgulho que venho anunciar o lançamento do Quadritos 14. Uma edição que sai com um ano de atraso, mas vem muito forte, com 180 páginas de quadrinhos e informações, comemorando em alto estilo os agora 31 de fanzinagem!

ATRAÇÕES:

Quadrinhos: Fronteiras do Amanhã (Gustavo Valladares/Itamar Gonçalves), A Fofoqueira (Emir Ribeiro), Hermit (Alberto Monteiro), Osso Morto (Vaughn Bodé), Alívio e HQ Forismo (Ciberpajé), Dia de Pedir Demissão (Bira Dantas), A História do Ovo (Laudo Ferreira Jr.), Olha a Bosta! (Luciano Irrthum), O Passarinho (Abuli/Bernet) e Última Canção (Joacy Jamys).

Entrevistas: Franco de Rosa, Júlio Emílio Braz e Luiz Eduardo Lopes de Castro (Luga)

Colunas: Momento da Press (Superficção), Política e Quadrinhos, Nação Xerox (Aventura), Repórter HQ, Tavern Quadritos, Cineclube, Crônica (Marcos Freitas) e as colunas de Calazans, Ciberpajé, Conexão Múltiplo (André Carim), Gazy Andraus e Edgard Guimarães.

Serviço:

Lançamento: Quadritos 14 – 30 anos de fanzinagem
Formato 15,5x23, capa Couché 4x0 cores com Prolan fosco HiTac, ,miolo 180 páginas Offset 90g 1x1 cor, lombada PUR.

R$ 29,90 + R$ 10,00 frete registrado = Total: R$ 39,90

Tiragem impressa de 50 unidades.


Depósito Bradesco:
Agência: 1552-0
Conta Corrente: 20906-6
Marcos de Freitas da Silva
CPF 595802401-91

Comprovante:
atomiceditora@gmail.com


segunda-feira, 9 de julho de 2018

Lançamento: Contos de Horror – Júlio Shimamoto


Seis clássicos do mestre Shimamoto restaurados e reunidos pela primeira vez. Histórias originalmente publicadas nas revistas Medo (Press) Mestres do Terror e Calafrio (D’Arte) e Spektro (Vecchi). Participação especial de Júlio Emílio Braz. Produção conjunta Atomic Books e Quadrante Sul Comics

Neurose I          
Medo nº 1 (Press Editorial) 1985
Roteiro e desenhos de Júlio Shimamoto.
Em 1985 Shima voltava aos quadrinhos, vindo da publicidade.
Nesta publicação da Press, produzida pelo Estúdio Ofeliano de Almeida, criou a série “Neurose” onde utiliza uma nova expressão gráfica em preto e branco e duas dimensões (já despontava aqui sua inquietude com novas técnicas e materiais inusitados) estilo iniciado na HQ “O Ogro”, publicada na revista Calafrio, da D'Arte, lembrando o visual de xilogravura. Na história Gláucio Pontes leva uma vida normal. Casado, um casal de filhos no ginásio, amante. O cantor frustrado (hoje gerente de marketing), tem agora que lidar com seu sócio, que se intrometeu em sua vida querendo lhe tomar tudo.

Sonho Mau
Mestres do Terror Especial nº 3 (D'Arte) 1989
Roteiro Júlio Emílio Braz, desenhos de Shimamoto
Menino tem pesadelo em que sua mãe é implacavelmente perseguida por um vampiro. Mas será que é um pesadelo realmente? Conto poético que inspirou a capa do presente álbum, belíssimo roteiro de JEB e desenhos fantásticos do mestre, mostrando todo o seu domínio no pincel, sombras e perspectiva aliado à criatividade nos enquadramentos das cenas.

Ponto de Parada
Calafrio nº 20 (D'Arte)
Roteiro Júlio Emílio Braz, desenhos de Shimamoto
Laura tem lembranças de sua vida empreendedora. A construção da estrada, o motel movimentado... tudo isso agora é passado. O presente traz apenas o silêncio da estrada envelhecendo. Os hóspedes indo e não voltando mais. Seu mundo morrendo ao redor. Melancolia e lembranças. Nada parecia alterar isso, até a chegada de um caminhoneiro.

Dança Macabra 
Spektro nº 10 (Vecchi) 1979
Roteiro e desenhos de Júlio Shimamoto.
Nessa época do ano, principalmente com suas águas volumosas e turbulentas, o arraial 'remanso' não justifica o nome...contam-se dele histórias terríveis de fantasmas dos afogados que passeiam pelas ribanceiras...'remanso' engole por ano dez, doze pessoas, número nada pequeno para a população do Seridó. Há três dias Xisto, canoeiro experiente, foi arrastado pela correnteza e sumiu. História produzida em 1961.

Possessão Diabólica
Spektro nº 11 (Vecchi) 1979
Roteiro e desenhos de Júlio Shimamoto.
O fantasma de um samurai errante reencarna em outro corpo. Shima aqui está totalmente à vontade no tema das lendas japonesas de honra, duelo e espada. Conta, em meio a muito sangue, a história dos lendários Sassaki Kojirô e Miyamoto Mussashi. Participação especial do maior exorcista do planeta: Zattan Polanski.

O Cataléptico
Spektro nº 13 (Vecchi) 1979
Roteiro e desenhos de Júlio Shimamoto.
Ele tinha medo da escuridão. Medo que chegava às raias da loucura. Sua esposa, mais do que ninguém, desejava saber a razão do seu medo. Um dia ele resolveu revelar seu segredo.

Serviço
Contos de Horror – Júlio Shimamoto
Álbum com 64 páginas, formato 15,5x23 cm, capa 4x0 cores papel couché 300g Prolan fosco HiTac, miolo 1x1 cor papel offset 115, lombada PUR.
R$ 25,00 (frete registrado incluso no valor)

Depósito Bradesco:
Agência: 1552-0
Conta Corrente: 20906-6
Marcos de Freitas da Silva
CPF 595802401-91
Comprovante:
atomiceditora@gmail.com


               

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Arraiá de Ofertas Atomic Books


Enquanto esperamos a chegada de Quadritos 14 e Contos de Horror de Shimamoto, preparamos aos leitores da Atomic este Arraiá de Ofertas, com todo nosso catálogo com preços promocionais e frete zero.

Além do mais recente lançamento, o álbum J. Souza 30 anos, compilando parte da obra de Jerônimo Souza e convidados, você pode adquirir a revista de Luiz Iório, Contos de Terror/Cova do Horror (restam apenas 8 unidades), Monstros dos Fanzines 4 (Luciano Irrthum), Quadritos 13 (apenas 10 unidades em estoque), Nomes 1 (Pasolini) e as edições de Flávio Calazans, A Hora da Horta, A Guerra dos Golfinhos e Guerra das Ideias.

Também montamos Combos para facilitar a aquisição àqueles que querem completar sua coleção sem desembolsar muito.

Baixe aqui o Radiatividade 9 com as promoções de Julho:
http://www.mediafire.com/file/c3sncqlatvyzgmi/arraia.pdf

Um grande abraço
Marcos Freitas

Micro-entrevista Jerônimo Souza

Marcos Freitas, 
27-06-18

Jerônimo, antes de mais nada, parabéns pelos 30 anos de estrada. Estamos mesmo no velho “Clube dos Dinossauros” dos fanzineiros oitentistas. Faça um pequeno balanço de sua trajetória para os leitores do blog.

Eu comecei a desenhar em 1982, quando estava doente, muito influenciado por Cockrum e Byrne. Em 1984 eu conheci Rodrigo Rosa e resolvemos lançar o zine RAFF. Dois anos depois eu criei a Associação dos Quadrinhistas Gaúchos, da qual acabei por me tornar o presidente. Em 1987 decidimos encerrar a AQG e fundar a GRAFAR, na qual tornei-me secretário geral. No ano seguinte fui para SP onde trabalhei na CEA Editora, Estúdio Felipe Fernandes e Editora Ondas. Retornei em 1990 e tornei-me ator de teatro. Quatro anos depois criamos o Curso Visuart. Em 1998 lancei a revista Mercado Negro, depois Casa das Máquinas( 2005), Hangar 02(2006) e Hangar Especial( 2007). Atualmente eu trabalho para a Kindle/Amazon escrevendo e-books.

Hoje, com este belo álbum em mãos, reunindo parte de seus roteiros (com este time estelar de colaboradores, capitaneado pelo grande Toninho Lima) você olha para trás e certamente sentimentos, emoções e uma série de pensamentos devem povoar sua mente. O que mais valeu a pena nesta sua vida de quadrinheiro? Complementando, conte-nos uma passagem curiosa ou engraçada vivida no meio.

O que mais valeu a pena na minha vida foi ter podido conhecer pessoalmente os Grandes Mestres: Liberatore, Watson, Mottini, Canini, Kern, etc. Uma passagem engraçada foi quando eu visitei a Editora Press, em 1986, e encontrei um sujeito no elevador. Perguntei-lhe se sabia onde era a editora Press. Ele disse que sim e ambos descemos no mesmo andar. Fui atendido pelo Gualberto Costa e perguntei: quem é o cara? Era nada menos do que o Paulo Paiva, proprietário da editora. 

Fale um pouco sobre novos projetos e histórias e aproveite o espaço para o salve à galera da Atomic. Um abraço e até a próxima, foi um grande e prazer e honra trabalhar contigo na gestação deste álbum singular na tua carreira.

Eu acabei de escrever duas novas histórias, a pedido do Alex Doeppre, uma com o Enigma e outra com Boxing Joe. A primeira se passa logo depois da morte do Enigma, quando o jovem Miguel assume o manto do seu mestre. A segunda é um prequel de Boxing II, onde Joe Raphael tenta fazer um acordo com os ucranianos ao mesmo tempo em que recorda sua vida na universidade. 
Um salve a toda a galera da Atomic! Para mim é um sonho poder entrar nesse time, ao lado de mestres como Shima e Calazans. Obrigado, Marcos, por investir no crescimento do Quadrinho Nacional.

Serviço:

JSOUZA 30 ANOS
Álbum de quadrinhos com 14 HQs roteirizadas por Jerônimo e desenhada por um time de artistas:  Toninho Lima, Alcione da Silva, Jonathan Pires, Anderson ANDF, Moreno Fransceschi, Alex Doeppre, Gilberto Borba e Iwfran Costa.

Formato 15,5x23cm, capa colorida em couché 300g com Prolan fosco e miolo pb em offset 90g. Acabamento em lombada PUR. Posfácio de Marcelo Tomazi.
R$ 20,00 + R$ 5,00 frete

Pedidos:

atomiceditora@gmail.com ou diretamente com autor diggiti.studio@gmail.com