sábado, 7 de abril de 2018

Lançamento: Contos de Terror - Cova do Horror - Luiz Iório

Duas revistas em uma, com clássicos do terror escritas e desenhadas por Luiz Iório.

Contos de Terror apresenta seis HQs:

Imortalidade • Epidemia • Muerte • O Senhor do Castelo • Rock Bizarro • Lupus

Cova do Horror apresenta seis HQs:

Festa de Noivado • Fui Enterrado Vivo • Quando os Mortos Caminham • A Vítima • Apocalipse • Tempos Modernos, Hábitos Antigos

Fanzine Ilustrado nº 8. Revista em quadrinhos aperiódica do Estúdio Múltiplo em parceria com a Atomic Books e HQ
Point. 56 páginas, formato 15,5x23,0cm, capa color couché 210g e miolo PB offset 90g. R$ 20,00 com frete incluído no valor.

Baixe o Radioatividade com detalhes da edição:

http://www.mediafire.com/file/xg3b3k4748bm036/Radioatividade_contos_de_terror.pdf

Pedidos:

Banco Bradesco
Agência 1552-0
Conta Corrente 20906-6
CPF 595802401/91
Marcos de Freitas da Silva

Comprovante para:

terça-feira, 20 de março de 2018

Lançamento: Monstros dos Fanzines 4 - Luciano Irrthum

Salve galera dos quadrinhos!

Mais uma edição da coleção Monstros dos Fanzines, apresentando nesta quarta edição o trabalho do quadrinhista Luciano Irrthum.

Com um traço autêntico e influência dos grandes artistas undergrounds como Crumb, Shelton, Wolverton, Marcatti, Muttarelli, etc, Irrthum começou a colaborar com diversos fanzines nos anos 80 e 90, fase áurea dos zines de quadrinhos.

Seu trabalho logo se destacou, marcando presença definitiva e inserindo seu nome no panteão dos ‘‘monstros’’ após parceria com Peter baiestorf e a adaptação de O Corvo, de Edgar Allan Poe. Numa época de HQs rápidas, este álbum foi um divisor de águas no fanzinato e causou um grande impacto, indicando um caminho para o quadrinho nacional, as Novelas Gráficas, vislumbrado também por visionários como Laudo e Joacy Jamys.

Esta edição de 180 páginas, traz 29 HQs (apresentando a inédita DJ Pachá, que abre o álbum) e ao final uma entrevista com o autor, onde nos desvenda seu processo criativo e fala sobre sua vida e carreira. O posfácio é de Ciberpajé.

Irrthum é um cara de poucas palavras. Mas é nos quadrinhos que sua arte ‘‘fala’’ mais alto aos fãs da nona arte, um quadrinho visceral, carregado no nanquin e surpreendente em seus diversos estilos e técnicas. Este é Luciano Irrthum. Um ‘‘monstro’’ dos fanzines e quadrinhos!

Marcos Freitas, Outubro de 2016

*BAIXE O RADIOATIVIDADE / MONSTROS 4 com prévias e mais detalhes do álbum da Atomic:

http://www.mediafire.com/file/3x5l4rh6uu3yien/Monstros4_radioatividade.pdf

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Projeto Radioatividade de Autores Atomic Editora - HQ Point

A Editora

A Atomic é uma editora artesanal de quadrinhos, criada em 2013. Originária no fanzine Quadritos (1987), foi justamente a edição número 10 desta publicação que marcou a inauguração do selo, que passaria a publicar a seguir a coleção de álbuns denominada Monstros dos Fanzines, compilação de HQs de artistas oriundos dos anos 80, como Joacy Jamys, Flávio Calazans, Laudo Ferreira Jr e Luciano Irrthum.  Editou também quatro álbuns de Mozart Couto (Depois da Escuridão, Os Guerreiros de Hakan, Samurai e Brakan) além de trabalhos de Júlio Shimamoto (Sombras Completo) e Emir Ribeiro (Michèlle a vampira). Estão a caminho em 2018 novas edições do fanzine Quadritos (30 anos), Monstros dos Fanzines e álbuns de Laudo, Emir e Shimamoto.

Especializada em quadrinhos on-demand, a editora trabalha com tiragens entre 50 e 120 unidades e acabamentos em grampo e lombada PUR + capa com Prolan . Em um mercado segmentado, cada vez mais fechado em nichos, poder investir na medida e sem comprometer o orçamento é uma saída que vem adotando desde sua criação, com bons resultados.

E é esta estrutura digital que está disponibilizando aos novos autores publicarem seus trabalhos. Com preços incríveis e serviços de apoio na edição e mesmo venda dos álbuns e revistas. Podendo também ser parceiro em seu projeto, financiando parte ou mesmo 100% do mesmo.

Como funciona

Se você ficou interessado em publicar seu álbum com a Atomic Editora em parceria com o blog HQ Point (http://hqpoint.blogspot.com.br/), basta enviar um PDF do trabalho para a gente avaliar (atomiceditora@gmail.com e hqpoint@gmail.com). A partir da análise e opinião dos editores Marcos Freitas e Paulo Cesar Castilho, vamos retornar com uma proposta para publicação de seu quadrinho, que pode ser tanto o financiamento 100% como parte do mesmo, disponibilizando nossa estrutura, tanto na diagramação e edição, como no apoio logístico e vendas através da loja virtual da HQ Point e comics parceiras na distribuição de nossos produtos.

Categorias de parcerias

A100 – Financiamento de 100% do projeto, com tiragem inicial entre 50 e 120 unidades. O autor recebe entre 5 e 10 exemplares e mais royalties sobre o valor bruto de capa na ordem de 5%, pagos integralmente em até 90 dias a contar do fechamento do contrato. A venda, divulgação e distribuição fica com a Atomic e HQ Point.

A50 – Financiamento de 50% do projeto, com tiragem inicial entre 50 e 120 unidades. Nesta modalidade o autor paga a impressão de 50% da tiragem escolhida e o restante 50% é financiado pela Atomic e HQ Point. A parte do autor será enviada via correio (paga pelo mesmo) e restante terá venda, divulgação e distribuição a cargo da Atomic e HQ Point, com royalties na ordem de 5% do valor bruto de capa, pagos integralmente em até 90 dias a contar do fechamento do contrato.

A30 – Financiamento de 30% do projeto, com tiragem inicial entre 50 e 120 unidades. Nesta modalidade o autor paga a impressão de 70% da tiragem escolhida e o restante 30% é financiado pela Atomic e HQ Point. A parte do autor será enviada via correio (paga pelo mesmo) e restante terá venda, divulgação e distribuição a cargo da Atomic e HQ Point, com royalties na ordem de 5% do valor bruto de capa, pagos integralmente em até 90 dias a contar do fechamento do contrato.

A10 – Financiamento de 10% do projeto, com tiragem inicial entre 50 e 120 unidades. Nesta modalidade o autor paga a impressão de 90% da tiragem escolhida e o restante 10% é financiado pela Atomic e HQ Point. A parte do autor será enviada via correio (paga pelo mesmo) e restante terá venda, divulgação e distribuição a cargo da Atomic e HQ Point, com royalties na ordem de 5% do valor bruto de capa, pagos integralmente em até 90 dias a contar do fechamento do contrato.

Apoio Estrutural Atomic e HQ Point

Em todas as modalidades o autor poderá solicitar os serviços de diagramação e arte final, sem custo nenhum ao orçamento final. O PDF final é aprovado pelo autor e somente depois a impressão é feita. O arquivo digital (em baixa e alta resolução) é enviada ao autor que poderá efetuar a venda digital através do mesmo.

Quem desejar deixar os exemplares ou parte, para venda consignada em nossa loja virtual, poderá utilizar o serviço de distribuição e venda à cargo da HQ Point, com taxas de comissão em 25% do valor de capa. Depósitos bimestrais.

Os preços para impressão e acabamento são bem abaixo dos valores de mercado. A idéia principal, além do lucro inerente a atividade, é fomentar a publicação de quadrinhos brasileiros e dar oportunidade aos autores que estão começando ou fora do mercado editorial, e assim abrir às portas ao surgimento de novos talentos engavetados.

O Projeto Radioatividade de Autores tem prazo para acabar?

A princípio não. Vamos manter a estrutura editorial da Atomic e HQ Point aberta aos autores por tempo indeterminado. Mas nada na vida é para sempre. Então, ‘bora lá desengavetar aquele trampo...

Baixe aqui o arquivo digital em PDF do projeto:


Marcos Freitas e P. C. Castilho – Fevereiro de 2018

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Lançamento Atomic: Ádrian, de Emir Ribeiro

O sucesso comercial dos quadrinhos eróticos

Com o abrandamento do Regime Militar no final dos anos 70, as editoras começaram a investir nos quadrinhos eróticos. Primeiro a Grafipar, de Curitiba. Depois, a Press/Maciota e a Nova Sampa continuaram a surfar no pornô. Emir Ribeiro, criador da Velta, Michèlle a vampira, Nova, entre outros, também participou desta onda, trabalhando muito na criação de aventuras eróticas..

Emir, que já trabalhava com quadrinhos desde os anos 70, viu na abertura deste nicho a oportunidade de publicar seus trabalhos. E criou então para a Grafipar os personagens “Supermacho” (inicialmente chamado de “O Conquistador”) e “Fátima a Mutante”. O primeiro teve efetivamente publicada duas HQs, mesma sorte não tendo Fátima, pois a editora curitibana cerrou suas portas antes. 

O contato com a Press/Maciota surgiu através do editor Franco de Rosa, antigo fanzineiro e correspondente há muitos anos. Nesta época, Emir começou a produzir muita coisa. Afinado com o gênero “super herói”, o autor no início tenta colocar em suas histórias eróticas conceitos desta linha, caso da transmorfa “Fátima a Mutante”. Fátima tinha o viés fantástico e era mais afinada com o universo de Velta. Inclusive, na trama, Fátima é meia-irmã da Camaleoa, inimiga da loura-detetive. Ele fazia as histórias de forma a poder se retirar as páginas com cenas de sexo explícito, sem que o conteúdo central sofresse danos ou ficasse incompreensível. Justamente para reutilizar a série em futuras edições de Velta. Mas a editora preferia personagens bem comuns, sem fantasia super-heroística ou ficção cientifica, e por isso, pediu para retirar esses itens das HQs. 

A revista mais vendida da editora era “Close”, cujo protagonista era um travesti. Ele, então, resolveu se impor um desafio de criar uma personagem que superasse a Close nas vendas. No início, conjecturou utilizar personagens já criados anos antes, como Doroti e Fátima, mas no fim acabou criando uma personagem totalmente nova. Assim surgia “Adrian” pela Press. 

E deu certo. Ádrian caiu no agrado do público, e teve título próprio, só para ela. Foi uma fase bem rentável para os autores brasileiros de quadrinhos. E também para as editoras (logo a Press teria a companhia da Nova Sampa) que conseguiam bons números nas vendas de seus títulos eróticos e com isso financiavam temas diversos como FC, fantasia, western, terror, etc, apostas que infelizmente não prosseguiram, devido a desentendimentos entre a direção, que levaria ao fim da Press Editorial. 

Esta edição da Atomic reúne todas as aventuras produzidas da personagem. São treze HQs sendo a última (Fotos e Transas) inédita. Conheça o universo de Adrian, a bissexual. Seus dramas, relacionamentos, decepções... regado a muito sexo, claro. Emir Ribeiro é um cara fantástico, um autor criativo que teve de transitar por todos os gêneros, como a maioria dos autores brasileiros, agarrando com unhas e dentes as oportunidades que surgiam para fazer quadrinhos, sua paixão. Foi um momento ímpar na história da HQB e que deve ser lembrado. O legado da Press ainda é muito mal aproveitado e a importância desta editora ainda terá o seu devido reconhecimento em prol dos quadrinhos brasileiros

 
Ádrian a ninfeta bissexual
Emir Ribeiro

Edição Impressa:
218 páginas
14,8x21,0cm 
capa color brochura com orelha
lombada e miolo offset 90g pb
R$ 49,59 


Edição Virtual
218 páginas
EPUB
R$ 15,06

Pedidos: 
Clube de Autores
https://www.clubedeautores.com.br/book/248648--Adrian#.Wmaw_LynG1s


sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Micro-entrevista Flávio Calazans

Flávio, qual a sensação de estar publicando estas novas edições destes clássicos da HQB, as Guerras Calazanistas, em quinta e sexta edições e a segunda de Horta?

Um prazer indescritível!  

Penso que todo criador de Quadrinho Autoral almeja que sua obra resista ao tempo e perpetue-se, seja legível e compreendida anos depois de feita e não perca a graça como uma charge de jornal que envelhece em poucos dias.

Ver meus quadrinhos sendo lidos e comentados DÉCADAS depois de sua primeira publicação dá um sentimento de ter conseguido oferecer uma obra duradoura.

Os leitores devem perguntar-se o que estes quadrinhos têm para continuarem atuais e sua mensagem fazer sentido, divertir e comover, promover questionamentos tantos anos depois.

“Guerra dos Golfinhos”  começou como “SUMIDOURO”, foi publicada em formato de bolso pela cooperativa barata  e esgotou em uma semana, este sucesso de vendas inspirou-me a re-escrever e redesenhar ampliando a Graphic Novel, que foi publicada em capítulos na revista de circulação nacional PORRADA SPECIAL de São Paulo, depois foi publicada em 4 partes  e depois em um só volume por Edgard Guimarães em Minas Gerais, teve outras duas edições pela editora Marca de Fantasia  de Henrique Magalhães na Paraíba e com  capa a cores pela ATOMIC de Marcos Freitas em Santa Catarina.

Já Guerra das Ideias teve seus episódios publicados e republicados em inúmeras revistas alternativas-indepedentes e em fanzines, foi publicado completo no QUADRIX de Worney em São Paulo, em formato de bolso capa cinza pela Cooperativa Barata em Santos, em  três edições pela editora Marca de Fantasia  de Henrique Magalhães na Paraíba e com esta nova capa a cores pela editora ATOMIC de Marcos Freitas em Santa Catarina.

Também foi re-escrita como peça de teatro registrada na SBAT sob número 24.942, em 1 de dezembro de 1987.

E hora da horta MERECIA ESTA SEGUNDA EDIÇÃO pois errei na primeira ao sugerir à editora papel kraft, pensei em dar textura de antiguidade mas os fiapos do papel e o tom marrom BORRARAM o trabalho de pontilhismo e acabaram prejudicando muito a leitura, esta edição traz extras de minhas pesquisas em veleiros e estudos de cordame das caravelas e mostra um outro lado dos 500 anos de colonização do Brasil, baseado na história de minha família e em livros como HISTORIA DA CAPITANIA DE SÃO VICENTE por exemplo.

Quais as novidades destas edições da Atomic?

O Marcos Freitas mostrou-se um cioso e criativo editor no sentido europeu deste termo, pois ao nível das grandes casas publicadoras da Europa e USA, fez uma editoração caprichada valorizando o conjuto da obra, por exemplo: minha colorização a lápis de cor aquarelado, na quarta capa da GUERRA DOS GOLFINHOS Marcos ampliou a moça nadando de forma a evidenciar o reflexo azulado, de estar sob a água, na dobrinha do traje de banho que aperta sensualmente a carne macia da coxa dela, um detalhismo extremamente perceptivo da parte dele!

Marcos Freitas teve a idéia de publicar os esboços e estudos de cada uma das Guerras Calazanistas (e da Hora da Horta) fazendo um panorama inédito de meu processo criativo, cada fase, da pesquisa ao roteiro, da construção da carpintaria dos diálogos (que uso como em peças de Teatro , Guerra das Ideais eu re-escrevi a pedidos como peça de Teatro e tem registro na SBAT) e os meus rascunhos e estudos de figura humana e faces dos personagens até a fase do story board de cada cena e a composição-diagramação das páginas, um EXTRA ou curiosidade que é atrativo aos colecionadores e aos criadores de quadrinhos, revelei até meu SECRETO sistema de tabelas e gráficos que uso para a auto-critica posterior de minha HQs!

Marcos Freitas conseguiu a colaboração de Lafaiete Nascimento que de forma generosa e perfeccionista escaneou, digitalizou e tratou centenas de páginas e ainda, com muito talento e criatividade, também aplicou inúmeros tons de cinza a cada quadrinho ganhando volume e perspectiva valorizando e dando uma nova dimensão a todas minhas páginas!  Tudo com muito respeito pelas obras e consultando-me a cada página em um trabalho interminável e exaustivo! Fiquei muito orgulhoso de ter um amigo tão dedicado e abnegado, altruísta, que investiu centenas de horas de folga de seus três empregos neste projeto!

Quais os projetos para 2018 e a mensagem de fim de ano aos leitores da Atomic?

Não gosto muito de falar de projetos em andamento pois sou supersticioso com invejosos e também por já ter sido PLAGIADO várias vezes, mas tenho um livro de “DIREITO AUTORAL DOS QUADRINHOS” já no prelo pela AQC e dois projetos de quadrinhos, um em pesquisa e outro já finalizando, além de trabalhar nas Exposições de lançamento das edições do Marcos Freitas que terão exposições de originais meus e bate papos com autógrafos em duas Gibitecas e três livrarias além de estarem programadas para a COMIC COM.

Aos leitores da ATOMIC agradeço muito o apoio que tenho recebido a cada álbum meu que vocês colecionadores compram, é importante para nós autores este estímulo e reconhecimento, e aos autores sugiro compararem meu processo criativo e minha metodologia de auto-crítica pois pode ter algo aproveitável para checar suas próprias hqs, desenvolvi meu método fazendo Doutorado na USP como aluno do Dr Cagnin e fui aluno do Alvaro de Moya no” LABORATORIO DE ALTA INTERPRETAÇÃO DOS QUADRINHOS” na “Oficina Tres rios” e estes álbuns tem prefácios destes e de outros pesquisadores.

Obrigado Marcos Freitas e Lafaiete Nascimento pelo seu incentivo e apoio e por acreditarem na minha obra como quadrinhista, seu gesto é motivador e inspira a continuar produzindo, para mim esta fé e amizade vale muito mais do que dinheiro ou fama! Agradeço sinceramente!


sábado, 21 de outubro de 2017

Lançamentos Atomic: Duas Guerras e uma Horta

Guerra das Ideias

"Guerra das Ideias" é a "Primeira Guerra Calazanista", o álbum de quadrinhos independentes mais reeditado do Brasil, nesta sexta edição comprovadamente resiste ao tempo, sendo reeditada cada vez que esgota desde 1986, onde em 27 episódios de duas páginas as ideias de liberdade e de opressão lutam pelos corações e mentes de cada uma das pessoas por toda a história da humanidade, da pré-história à Roma antiga, dos Incas aos Quilombos de escravos no Brasil, da Revolução francesa à filosofia existencialista, das bandas punk até a mecatrônica da inteligência artificial. Uma revisão do passado da humanidade.

Álbum de 80 páginas, formato 15,5x23cm, 6ª edição. A HQ foi remasterizada e vem com novos tons de cinza aplicados por Lafaiete Nascimento. Pela primeira vez, os bastidores da criação deste álbum. Ainda: textos de Ivany Sevarolli, Edgard Guimarães, Fernando Vieira e Luiz Antonio Cagnin (in memorian)

Capa colorida em papel Couché 300g com Prolan e miolo no papel Offset 90g em tons de cinza, acabamento em lombada PUR e custa R$ 17,90 + 7,50 (frete) = R$ 25,40

A Guerra dos Golfinhos

"A Guerra dos Golfinhos" é a "Segunda Guerra Calazanista", ao contrário, aqui Calazans sonha com um futuro melhor, e, do mesmo modo, este álbum resiste ao tempo nesta quinta edição e continua transmitindo sua mensagem de liberdade para buscar sua própria felicidade dentro do espírito do nosso tempo (Zeit Geist): no ano 85 de outro calendário futuro o mundo divide-se em dois blocos ou FEDERAÇÕES, governos político-econômicos opressores e ditatoriais enquanto sob o mar cresce uma alternativa, uma CONFEDERAÇÃO de municípios autogestionados (similar a SUÍÇA ou Confederação Helvética com seus cantões), um paraíso submarino auto-suficiente cujas leis são propostas e votadas em plebiscito por cada cidadão, um modelo de cooperativas e mutirões no qual um oceanógrafo faz experimentos místicos que o levam a visitar um planeta sob um sol binário governado por colônias de insetos que é uma metáfora das limitações impostas aos cidadãos pelos governos centralizadores e autoritários os quais reduzem o humano a um manipulável inseto de uma colmeia ou formigueiro.

Álbum de 84 páginas, formato 15,5x23cm, 5ª edição. A HQ foi remasterizada e vem com novos tons de cinza aplicados por Lafaiete Nascimento. Pela primeira vez, os bastidores da criação deste álbum. Ainda: participação de Ivany Sevarolli, Bira Dantas, Edgard Guimarães, Fernando Vieira, Álvaro de Moya e Luiz Antonio Cagnin (estes últimos in memorian)

Capa colorida em papel Couché 300g com Prolan e miolo no papel Offset 90g em tons de cinza, acabamento em lombada PUR e custa R$ 20,90 + 7,50 (frete) = R$ 28,40


A Hora da Horta

"A HORA DA HORTA" a segunda edição de seu polêmico álbum sobre a história oral da colonização do Brasil. Baseada no movimento outros-quinhentos e na própria história oral e árvore genealógica do autor cujos ancestrais foram cartorários e escreventes em Itanhaém (segunda vila ou povoado do Brasil fundada em 1932), mostrando pelo crescimento da barba do personagem como o bacharel de Coimbra vai ambientando-se ao Brasil colonial e tornando-se um cartógrafo e bandeirante enquanto sua esposa aprende com uma índia escrava tupinambá sobre as semelhanças entre o misticismo nativo e a cabala e contos de fadas judaico-cristãos que aprendeu com seu avô rabino, até que chegam os padres jesuítas para fundar o colégio em São Paulo.

Álbum de 48 páginas, formato, 23x15,5cm, 2ª edição. A HQ foi remasterizada e vem com novos tons de cinza aplicados por Lafaiete Nascimento. Pela primeira vez os bastidores da criação deste álbum. Ainda: participação de Ivany Sevarolli, Bira Dantas e José Leonardo do Nascimento.

Capa colorida em papel Couché 300g e miolo no papel Offset 90g em tons de cinza, acabamento em lombada PUR e custa R$ 14,90 + 7,50 (frete) = R$ 22,40


Combos:

Combo 1:

Guerra das Ideias + Guerras dos Golfinhos + Hora da Horta = R$ 49,90 + 10,00 (frete) = R$ 59,90

Combo 2

Guerra das Ideias + Guerras dos Golfinhos = R$ 39,90 + 10,00 (frete) = R$ 49,90

Autor

Flávio Calazans em 1979 fundou e organizou a "Cooperativa Barata" em Santos publicando a revista "BARATA" por vinte anos.

Em 1987 foi Eleito Diretor Executivo da AQC, onde escreveu e publicou a "CARTILHA DE DIREITO AUTORAL DA AQC", PRIMEIRO livro sobre Direito autoral específico dos Quadrinhos do BRASIL.

Fundador e Coordenador do Grupo de Trabalho “Humor e Quadrinhos” no Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, re-eleito por cinco anos consecutivos de 1995 a 2000, o PRIMEIRO grupo de pesquisa de quadrinhos oficial no Congresso de Comunicação INTERCOM.

Também escreveu o livro "Histórias em Quadrinhos na Escola" - TERCEIRA edição, editora PAULUS São Paulo, ISBN 85-349-2140-7. PRIMEIRO livro do Brasil sobre o uso de quadrinhos para ensino em escolas.

Publicou muitas Histórias e Quadrinhos e artigos no movimento de imprensa alternativa dos fanzines e HQs em revistas de circulação nacional da editora Abril e outras como BRAZILIAN HEAVY METAL.

Website www.calazans.ppg.br
Blog Calazans-zans-zans http://calazanista.blogspot.com/
Facebook.com/flavio.calazans
Twitter @calazanista
Youtube Canal Calazans http://www.youtube.com/user/Calazanista

Pedidos:

atomiceditora@gmail.com

Marcos de Freitas da Silva
Bradesco
Agência 1552-0
Conta Corrente: 20906-6



domingo, 20 de agosto de 2017

Micro Entrevista: Denílson Reis




Tchezine marca impressionante 30 anos de fanzinagem. O que significa para você esta marca e o que o leitor encontrará em suas 120 páginas?


​Significa muita alegria de poder estar há 30 anos compartilhando de minha vida com uma centena de pessoas espraiadas por todo este Brasil e com um sonho em comum: fazer quadrinhos! Saber que muita gente acreditou no meu projeto desde 1987 até agora, 2017 é muito significativo e quero agradecer a todos. Por isso, nestas 120 paginas de quadrinhos, não deixei ninguém de fora, procurei publicar ao menos uma colaboração de todos que passaram pelo fanzine Tchê. Tem muitas HQs de grandes feras como Henry Jaepelt, Laudo Júnior, Daniel HDR e tantos outros que fica difícil mencionar aqui.​

O que mais vem aí do Grupo Quadrante Sul? As comemoraç​õ​es continuam?

​Sim! Em 2018 eu e o Alex Doeppre vamos comemorar os 30 anos do lançamento da revista Quadrante Sul. Minha ideia é lançar o segundo volume da Coleção Tchezine com uma coletânea em 120 páginas das HQs publicadas nos, até aqui, 9 números da revista. Ou seja, seguir os mesmos moldes do Tchê 30 anos. Também está em produção um filme para contar os 30 anos do fanzine Tchê e quem sabe uma graphic novel de meu personagem Peryc, O Mercenário. 2018 promete!​


Passe o serviço para os leitores do blog adquirirem o Tchezine 1.



​Coleção Tchezine Vol. 1 - Tchê 30  Anos
120 páginas, capa colorida, miolo p&b.
R$ 30 + frete